domingo, 27 de junho de 2010

Poesia, alguma

Quero escrever uma poesia, mas palavras complicadas me aparecem antes das idéias.
Escrever prosa me tem sido mais sincero.

Sempre foi e será irracional
esta coisa que todo humano, todo animal
possui
Desejo, não sei de onde, de ter
e não largar, de sempre querer
mais
Burrice este desejo acompanhado
de medo, receio, por não estar ao lado
de ti
Vontade de voltar ao paraíso
criado, onde sempre está o sorriso
amado
De cair ao lado com a melodia
que guia as batidas e a ousadia
de abraçar
A dúvida em saber se é correspondido
de alguma forma, me deixa mais perdido
do que quero
Indo conta tudo o que prego,
negando as afirmações do meu ego
inflado
Odeio os hormônios e neurotransmissores
que invadem minha cabeça, agressores
biológicos
Mas qual a graça quando tudo
é racional e não há sentimento no mundo
capaz de dizer o que quero ou não
nem de finalizar uma poesia com uma
rima que interesse mais a mim do
que aos que a lêem?

Um comentário:

  1. Também odeio os neurotransmissores e essa dúvida sem fim...isso pra não falar da angustia ;)

    ResponderExcluir

Os comentários são livres. Sua opinião será levada em consideração para as próximas postagens.