terça-feira, 22 de março de 2011

Vou me cobrar um pouco menos

Corria pela calçada e atravessava as ruas sem olhar.
"Sou um inútil, sou um inútil."
A cada passo, uma batida de bateria saindo do earplug.
"Passo muito tempo fazendo nada, tenho tantas obrigações."
Continuava correndo, pensando no que deveria fazer.
"Isso, isso e aquilo. O futuro, o futuro..."
Cada segundo pensando no que deveria fazer eram horas.
E cada hora fazendo o que havia pensado eram segundos.
"Não paro. Não paro. Estou parado!"
Hiperativo. Atormentado. Auto-flagelado.
"Todo mundo está aí, fazendo suas coisas, e eu aqui sem fazer nada."
Parou de correr. Olhou.
"Vou me cobrar um pouco menos. Aí sobra tempo de fazer um pouco mais..."

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são livres. Sua opinião será levada em consideração para as próximas postagens.